Minha campanha completa de Bielefeld

Eu nunca tinha fechado apropriadamente uma campanha antes até o início de 2011, quando finalmente terminei um saga de D&D de quatro anos. Depois de alguns altos e baixos, a trama foi um tanto adiantada e finalizada, embora tenha deixado saudade e o sentimento de missão cumprida quando os créditos começaram a subir. 
Compartilhei no Paragons um resumo desta campanha em 2011, e estou refazendo aqui mais sucinto e para fazer referências futuras com mais facilidade.

O elenco principal era composto pelo meu grupo habitual, entre parênteses:

Lyon, Aillah, Hadrian (NPC), Fox, Keriann, Aenarion (NPC), Dorgauth


• Aillah (Elisa Guimarães), uma druidisa meio-fada, filha de uma dríade e um humano;
Dorgauth Anand (Diego Valdevino), um guerreiro anão;
Fox Olliver (Rafael Ramos), um ladrão halfling;
Keriann (Allana Dilene), uma arqueira ranger humana;
Lyon (Nino Xavier), um guerreiro meio-elfo.

Fatos importantes sobre o cenário:

Bielefeld [adjetivo pátrio “felden”] é uma monarquia dominada por cavaleiros e pela igreja de Khalmyr, deus da justiça. O reino tem várias ordens de cavalaria, sendo que as mais importantes são a Ordem da Espada, a Ordem da Coroa e a Ordem da Luz (dedicada a Khalmyr).

• Os bérnios (União Púrpura, no original) foram os primeiros habitantes do continente norte, mas foram colonizados e perderam espaço. Restou apenas um conjunto desorganizado de tribos bárbaras estilo celtas (Breval, Beorul, Carnagh, Gall e Mir), parcialmente separadas pelo Mar das Espadas. Eles adoram deuses antigos (sobretudo a Dama da Natureza).

• Os druidas bérnios escolhem nomes místicos para si, geralmente com elementos da natureza. A druidisa PJ, Aillah, é chamada Vento. Sua mentora chama-se Flama. O druida venerável das terras é Coração da Montanha. O conselheiro do rei de Breval é Inferno, e assim vai.

• Há pouco menos de um século houve a Guerra das Fronteiras, onde os dois reinos entraram em conflito, ambos influenciados por demônios. Não houve vencedores, mas Bielefeld organizou uma enorme inquisição nos anos seguintes, varrendo da terra a fé antiga e deixando apenas Khalmyr e tolerando a Dama (Lena, deusa da vida, substituiu a deusa da natureza na nova fé). No processo, queimaram druidas, feiticeiros, bruxas e lobisomens. Até hoje muitos senhores e cavaleiros fazem incursões nas terras bérnias para “levar a fé” ou “evangelizar”, voltando com espadas ensanguentadas.

• Outrora um condado de Bielefeld, Portian (Portsmouth no oficial) [adjetivo pátrio “portiano”] rebelou-se há menos de meio século, em uma tramoia do Conde Ferren Asloth. Mesmo sem tamanho e poderio, o Velho Abutre aguarda apenas a oportunidade perfeita para levantar armas contra o Rei Hederick I de Bielefeld.

• Na minha versão, a Tormenta é meio cthulhesca, monstros de uma dimensão distante que se manifestam neste plano de existência. Saem as carapaças insetóides e entra a exobiologia, tentáculos e ventosas.

Como faço menção a muitos lugares, use este mapa para se orientar (clique para ampliar).











Primeiro Arco: Fugitivos
Os PJs começam separados. 
  • Dorgauth deixa a cidadela de Dun Azkral disposto a vencer a aposta feita com o irmão (quem matasse mais gigantes ficaria com o machado do avô). 
  • Fox, fugido do reino dos halflings (Hongari) e servo do empobrecido feudo Keltier, é enviado até Norm para avisar seu senhor que havia um lobisomem na terra. 
  • Keriann deixa a vila de Eastwind fugida de um casamento e passa a perseguir bandidos. 
  • Em Breval, Aillah é envolvida em um ardil e obrigada a encontrar Willow, a menina-fada vidente do Rei Tarn de Carnagh, sequestrada por um guerreiro cujas feridas ela mesma curara. Ao chegar em Norm, é presa e acusada de bruxaria. Surge um ser estranho envolto em mantos e cheirando a morte e a compra dos guardas.
  • Depois de uma vida difícil na isolada cidade élfica de Alestil, Lyon vai embora e encontra as ruínas do feudo e a espada quebrada de seu pai, um cavaleiro humano. Em suas andanças, encontra a Torre Branca, onde conhece o poderoso mago élfico Tyrion.
Da fortaleza orc Kelgroth, nas Montanhas Centrais, emerge uma anormalmente grande horda de orcs, assolando as terras e capturando escravos. Keriann e Fox são capturados em Herrinton e Dorgauth, em um ataque a Riverfort. Aillah é comprada por um morto-vivo para ser esposa do cavaleiro Sir Drakkan, aparentemente aliado dos orcs. 

Todos são levados a Kelgroth e obrigados a trabalhar em uma grande escavação (menos Aillah, que fica com outras “pretendentes” e conhece uma garotinha chamada Anne que a ajudaria a escapar). 

Na Torre Branca, Tyrion diz a Lyon que ele é o pivô de uma profecia, e deve salvar os outros PJs em Kelgroth. Para tanto, fica com a espada quebrada do meio-elfo e lhe dá uma língua de fogo para cumprir a tarefa. Ele se infiltra na fortaleza e inicia uma revolta junto com os personagens. No meio da fuga surge Sir Drakkan e Shagrat, o general dos orcs, mas eles conseguem sair. 

Lá fora, reencontram Drakkan no meio da noite, mas ele apenas devolve o escudo de corpo que Lyon carregava com o brasão de leão do pai e tinha ficado em Kelgroth. Na Torre Branca, o mago diz que seu papel na profecia acabou. Eles então decidem procurar outro grupo de refugiados na Floresta Sombria, mas antes Fox quer ajudar seu senhor.
Sir Thomas de Keltier, Conde Andrews e Sir Torgren

Em Keltier, Sir Thomas acusa Fox de roubar o ouro de um resgate interceptado por ele. Eles salvam o halfling e vão para a floresta, onde salvam os fugitivos de serem entregues por kobolds a uma hidra. Lyon e Aillah se tornam amantes. 

Os heróis estabelecem os refugiados em Norm e se envolvem em aventuras com nobres possuídos por demônios e aranhas gigantes. 

Aillah é denunciada ao Bispo Colgrevance de Khalmyr, mas escapa e eles fogem da cidade, viajando para Eastwind. Lá, a avó cega de Keriann tem uma visão da profecia que une os PJs, e surge uma tropa de 2 mil orcs na vila. Os monstros não aceitam rendição, e os heróis deixam os aldeões no castelo do senhor. 

Em seguida, fogem para Portfeld, e o Conde Andrew, senhor da cidade, lhes dá um documento para alertarem Kiregard. Na jornada são atacados pelo batedor orc Gruul, o barghest Xurukk e vários orcs, descobrindo que seu inimigo está também envolvido com demônios. Mas não podem cuidar disto agora, porque precisam resgatar Willow (o plot de Aillah).

A caminho da floresta Reikwold, onde Willow estaria, descobrem que o senhor de Ortshire é o lobisomem que aterroriza as terras centrais. Libertam uma elfa presa com ele e encontram em um vassalo seu, Sir Orson Broonlek, um amigo – até então só eram maltratados por cavaleiros. Bronlek pertence à Guarda Cinzenta, uma “ordem” de cavaleiros pobres e ex-criminosos, descartáveis. 

Ele os ajuda a entrar na floresta, onde depois de alguns encontros com fadas (onde Dorgauth entra em coma), enfrentam uma bruxa annis e salvam uma dupla de aventureiros azarados, o mago elfo Aenarion (personagem-estepe de Diego) e o bardo Hadrian

Em seguida invadem a torre onde a menina-fada está presa, guardada por uma medusa e duas fylgias. Eles a salvam, mas Fox é petrificado. As fadas, agradecidas por livrar a floresta da mácula da medusa, levam os heróis à Torre Branca, onde Tyrion cura o halfling e promete uma cura para o anão. Mesmo sem Dorgauth, eles retornam a Carnagh e devolvem Willow aos druidas, e vão descansar em Wictred, a aldeia de Aillah.

Segundo Arco: Um Longo Inverno
Os PJs passam o inverno nas terras brevalesas, interagindo com PdMs como Flama, Withell (pai de Aillah) e Howell (filho do chefe Beolláin). Apesar de Howell ser o noivo prometido de Aillah, ela anuncia casamento com Lyon. 

Dorgauth reaparece, curado por Tyrion e com um amuleto para chamá-lo em caso de urgência. Fox passa a trabalhar de alfaiate. Lyon é envenenado em plena despedida de solteiro, e as suspeitas recaem sobre Howell, mas não se descobre o culpado. 

Eles casam em uma grande festa invadida por fadas. Investigações posteriores os levam até um demônio vrock chamado Gauderis, que vivia no corpo de Hadrian. Na luta ele mata Sir Beirne, um ex-Cavaleiro do Cálice (uma ordem de paladinos da Dama extinta em Bielefeld na Guerra das Fronteiras) que se escondia na vila. Flama prende o demônio em uma garrafa. 

Lyon enterra Beirne sem sua espada e armadura, e o espírito do cavaleiro retorna para assombrar a vila. Eles o atacam e acabam maculados com o toque gélido do fantasma, e precisam ir a Bielefeld achar uma cura. Viajam até Norm, e lá descobrem que Nala, uma antiga amiga de Dorgauth, se tornou uma prostituda viciada em ópio. 

Eles então matam seu cafetão e a drogam para levá-la de volta. Fox conhece a halfling Lydia em uma festa e três dias depois é obrigado a casar com ela. A igreja da Dama diz a Dorgauth que Sir Beirne deve ser enterrado adequadamente – eles voltam a Wictred e devolvem os pertences à tumba.

Sir Bronlek, Leão-da-Montanha e Tyrion
Certo dia, os PJs conhecem a meio-elfa Leona (uma ladina com duas adagas) e o guerreiro halfling Helgric, ambos perdidos depois de uma malfadada aventura. 

Juntos, retomam um valioso forte de inimigos mir (os “pictos” da Bérnia), onde encontram Ellara, a centaura arqueira do grupo de Leona. A bruxa annis de Reikwold volta para se vingar, com o golias Druig e o marido da medusa, o maedar Samagore

Este petrifica Lydia, e os aventureiros partem para o covil dos monstros. Na luta, acontece a primeira morte da campanha: Fox. Flama usa uma reencarnação no halfling, que volta como um humano – ele resolve mudar de nome, para Selmik. Profundamente abalado pela mudança e a petrificação de sua esposa, Selmik surta, deixa uma carta desaforada com Hadrian e vai embora. 

Em seguida vão resgatar Aenarion, perdido nas catacumbas abaixo da Torre das Sombras, onde ele havia se isolado para estudar magias com o mago Jorvik Ravenscar. Na enorme dungeon (usei o Tomb of Horrors!), conhecem o bárbaro beoruno Leão-da-Montanha (estepe de Rafael). Dorgauth perde o braço lá, e depois anões devotos de Heredrimm (deus dos anões) surgem e lhe dão um braço de platina abençoado pelo deus. 

No fim, eles procuram os outros amigos de Leona, o clérigo Terak de Keen (da guerra) e a maga Akemi Oriuchi, presos por gigantes do gelo.

Terceiro Arco: Guerras e Perdas
Selmik viaja por Bielefeld, testemunhando a queda de Ortshire sob as botas de Drakkan e queimando templos da Dama (ficou prestes a virar PdM de vez!). Em Valkaria (uma metrópole gigantesca do reino cosmopolita vizinho, Deheon), entra em diversas aventuras estilo “GTA” para conseguir dinheiro para a igreja de Marah (deusa hippie da paz, amor e celebração) curar sua transformação. Ao voltar a ser halfling, purifica seu coração e adota a fé da deusa. 

Os outros PJs arrumam encrenca em terras anãs enquanto tentam voltar a Bielefeld. Dorgauth é convocado para guerrear junto dos anões contra os trolls do submundo, no reino de Doherimm (narrei A Forja da Fúria). 

Os restantes descobrem as terras de Sir Bronlek queimadas e salgadas, bem como Ortshire. Na aldeia de Jarvec, são atacados por um minotauro e uma guerreira, ambos dominados magicamente. Enfraquecidos, são abordados pelos mandantes do ataque – Leona e seu grupo! 

Ela revela o quase óbvio: é irmã de Lyon, e os dois são filhos de Sir Drakkan. Leona deixa o grupo vivo, mas leva Aillah e diz que eles estarão em Camelerd, cidade dominada por seu pai, e este quer conversar com Lyon.

A guerreira e o minotauro que atacam o grupo em Jarvec
Os PJs encontram Camelerd sitiada por Sir Torgren (Grão-Mestre da Ordem da Luz), Conde Andrew, Barão Lucius Clampot (um senhor cego amigo dos PJs) e outros senhores. 

Lyon entra voando no castelo (magia de Aenarion) e confronta o pai, que lhe devolve a esposa sem maus-tratos e pede que ele considere unir-se à sua causa. 

Lá fora, com a entrada de Lyon, os soldados se precipitam e lançam um ataque desorganizado, e as tropas felden acabam recuando, perseguidas por mortos-vivos do arquimago lich Belkion, aliado de Drakkan. 

Hadrian surge com um ferimento de onde brotam pequenas larvas da Tormenta e depois some. Lyon e Terak entram em coma neste combate. Com o meio-elfo curado por Tyrion, eles se refugiam no castelo Clampot, onde avistam um dragão azul passando nos céus.

De volta à estrada, os PJs salvam uma feiticeira acusada de bruxaria em um vilarejo e matam as verdadeiras bruxas do pântano. Fox e Dorgauth voltam ao grupo. Em seguida vão a Roschfalen, a capital, procurar Sir Bronlek, e o salvam de ser vendido como escravo por ladrões. 

Grávida de seis meses, Aillah deixa o grupo, mas vai com Flama a Camelerd extinguir uma infestação da Tormenta, junto com Leona, Hadrian e os outros (que estavam todos infectados) – em seguida volta para Breval. Ela sabia que Drakkan não era maligno (veja a história dele), e os outros já começam a notar. Keriann sonha com o avô dizendo que foi preso há anos em uma tumba atemporal, e há um grande mal impedindo que ele saia. 

A cavaleira Alexandra (estepe de Elisa) e seu escudeiro Crispin se juntam aos PJs e eles vão ao feudo Herrick, onde salvam o povo do dragão azul Kyracolides (aquele que eles viram voando). Eles descobrem que ele queria a chave de um tesouro do deserto, na tumba onde o avô de Keriann está preso. Este se revela o vampiro Kalias ao ser resgatado, e foge das espadas dos heróis. Na comemoração, Fox inventa o nome oficial do grupo: Os Cinco Destemidos.

Interlúdio: Sete Meses
Alexandra e Crispin
Como os personagens estavam separados, passei sete meses na campanha onde decidimos o que acontecia. 
  • Aillah lida com intrigas políticas, com Breval sendo dominado por BeorulEla se separa de Lyon, e este se junta ao pai, motivado a salvá-lo de más influências (um lich, um meio-orc e uma filha psicopata inspirada em Azula =P). 
  • Aillah casa com Howell E Hadrian e se mete com fadas negras lideradas pelo Príncipe Verde, que veio pegar Flama. Ela descobre que ela na verdade é sua mãe Kayna, uma dríade. 
  • Keriann se envolve com monstros da Tormenta, enlouquece e é entregue por seu amigo Ethan ao clero de Khalmyr, que a envia para a Ilha dos Mortos (onde exilam loucos). 
  • Dorgauth guerreia em terras anãs e perde sua amante Nala e um possível filho. 
  • Fox tem um casal de gêmeos com Lydia (ela foi curada em algum ponto) e manda os três para a Pequena Colina, uma vila halfling em Valkaria. 


Nesse meio tempo, todos passam a lutar por Darius Drakkan. Norm é tomada (a Ordem da Luz foge para Roschfalen) e fica sob domínio do conquistador e do Rei Tarn de Carnagh, e Kiregard também cai. Lyon casa com uma nobre e a engravida, e tenta dominar a bomba-relógio que Norm se torna.

Arco Final: A Profecia
Tyrion reune os Cinco Destemidos pela última vez, pois Belkion cortou relações com Drakkan e tomou o controle dos orcs. 

Com a escavação terminada, Belkion tem o cadáver de uma criatura colossal, cujo coração foi petrificado e dividido em dois amuletos de prata há milênios – um foi achado por Lyon na Torre das Sombras (ele nem imaginava o que era) e outro estava na tumba de Ssra-Tauroch, um antigo clérigo do Rei Dragão de Prata (os dragões mais velhos do mundo são adorados como deuses), em uma ilha perto de Lamnor (o continente sul de Arton). 

Antes de se meter com isso, eles partem com Sir Bronlek e a capitã Kira Bloodstar para resgatar Keriann da Ilha dos Mortos, onde Aillah usa um ritual e toma metade da loucura da arqueira para si.

A missão dos heróis é encontrar o amuleto antes dos orcs de Belkion e deixar com Tyrion, para que ele impeça o lich de ressuscitar a criatura. Eles viajam a Portian para achar um porto, e mais uma vez enfrentam Kalias no caminho (ele aterrorizava um vilarejo), com o vampiro escapando de novo. Eles vão a Milothian, a capital, curar o corpo comatoso de Dorgauth. 

Lá conhecem Lady Rowenna, esposa atual de Sir Drakkan, e ela lhes indica um navio no porto de Sedewrac. Eles singram o Mar Ocidental e, na ilha, enfrentam perigos e encontram os orcs, que chegaram antes e mataram a naga guardiã na tumba. 

Eles os derrotam, passam por alguns testes e são transportados magicamente até as Montanhas Uivantes, onde o próprio Tauroch lhes entrega o amuleto. Tyrion surge pedindo o amuleto, e eles entregam, desconfiados. Ele revela que sempre foi Belkion disfarçado (orly?) e os teletransporta para Valkaria.

Rowenna a milf
Na metrópole, os Cinco conseguem que um mago os leve à Torre Branca, agora ocupada por Drakkan e mercenários portianos, prestes a atacar Belkion. Todos fazem as pazes antes da épica batalha, e preparam uma estratégia para passar pelos orcs e invadir Kelgroth. 

Os PJs ficam com a tarefa de entrar em túneis orcs e abrir os portões de pedra da passagem para a fortaleza, enquanto outros grupos fazem outras coisas. Eles flagram o lich tentando ressuscitar o cadáver do Dragão Rei de Prata Loriendarax, para roubar seu poder! 

Protegido por um campo de força, um dracolich, um general inumano e um cornugon, o lich dá trabalho a eles, que lutam ao lado de Drakkan e Leona. Esta é jogada no fosso de prata derretida que virou o corpo do dragão e morre, mas antes que se consuma Dorgauth salva o cadáver. 

Ao derrotar o lich (inclusive quebrando sua filacteria), jogam o amuleto que é o seu coração na prata (ideia da arqueira) e o dragão simplesmente ressuscita! Ele traz Leona de volta e vai acertar as contas com os orcs…

Vitória! Segue um glorioso epílogo, onde os heróis tecem seu futuro. Aillah vai fazer sua viagem pelo mundo para adquirir sabedoria; Lyon e Keriann ficam para lutar ao lado de Drakkan (a guerra não acabou!). Dorgauth vai lutar junto aos anões, e Fox monta a taverna Os Cinco Destemidos na Pequena Colina, com planos de ter uma dúzia de pequeninos!


Foi muita história! Acho que foi a campanha com enredo e personagens mais profundos que já tivemos, mesmo com todos os percalços e brigas (sempre tem, né?). Gostaria de ter ido até o nível 20, mas foi só até o 12. 

O mais legal é que ficou história aí para muitas campanhas, e por sinal já jogamos uma aventura (o Sequestro da Princesa Élfica) e agora vamos começar um jogo online de Old Dragon também nesse reino, que promete trazer o futuro da guerra e talvez até a vitória dos novos heróis sobre Drakkan e os heróis antigos, quem sabe? De qualquer modo, ficou a lição: acabe bem, acabe mal, mas procure sempre dar um final. :P

8 comentários em “Minha campanha completa de Bielefeld

  1. Eu adorei o jogo e sinto muitas saudades.

    Você esqueceu as melhores partes da história: No período que Lydia estava petrificada Aillah a transformou em estátua de jardim. Plantou até uma roseira em suas mãos. =D E o filho de Lyon e Aillah, Cennan é o herdeiro legítimo de Drakkan.

    Ainda acho que é dá para jogar algo alguns anos depois. Seria ótimo revisitar os personagens mais velhos.

    Curtir

  2. Bem, como integrante da nova campanha online, eu só posso dizer uma coisa para Drakkan e os seus amigos: Hasta la vista baby.

    O maior cavaleiro de todos os tempos, the chosen one, vem ai. :P

    Ah..e ele só tem 4 dedos em uma das mãos :P

    Curtir

Dê um pitaco, não custa nada

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s