The Fall

Arrumando a estante de filmes neste fim de semana, revi um que gosto muito: The Fall. Há alguns anos me deparei com um estranho e envolvente thriller chamado A Cela. Dirigido pelo indiano Tarsem Singh, o filme levava a protagonista através das perturbadoras paisagens do interior da mente de um psicopata. A Cela foi comparado a Matrix e Seven na época, mas passou despercebido e dividiu opiniões. Infelizmente, anos depois Singh seguiu o mesmo caminho de M. Night Shyamalan e lançou a repetitiva bomba Immortals. Mas antes disso, em 2006, liberou completamente sua imaginação e estilo lúdico filmando, por quatro anos em 18 países, um audacioso e extravagante projeto financiado do próprio bolso. O resultado foi um filme independente brilhante que ganhou prêmios, foi apadrinhado por David Fincher e contou com design de figurino de Eiko Ishioka (Drácula de Bram Stocker).
The Fall conta uma doce e simples história com imagens vastas, românticas e estonteantes. Na Los Angeles de 1915, a pequena Alexandria (Catinca Untaru, em uma surpreendente atuação) cai de uma laranjeira em meio às colheitas de imigrantes e acaba num hospital, com o braço quebrado. Lá conhece o dublê Roy Walker (Lee Pace), que teve as pernas paralisadas ao cair de um cavalo em uma manobra malfeita. Os dois ficam amigos, e Roy começa a contar uma história a Alexandria com o intuito de conseguir algo em troca da menina. E aí começam as maravilhas: em um fantástico exercício de criatividade, surge um épico de amor e vingança, onde um grupo de aventureiros embarca em uma jornada trágica. 

Podemos notar como a sutil visão de Alexandria altera a parte visual da história, e como suas emoções a transformam em co-criadora: depois de pincelar sobre Alexandre O Grande, Roy narra uma história de cowboys envolvendo o pai da menina e menciona um indian (índio) com uma tenda e uma índia, e Alexandra imagina um indiano e sua terra de palácios, turbantes e gurus. Então começa o conto do Bandido Negro (um alter-ego do próprio dublê) e seus companheiros: Luigi, um italiano anarquista armado de bombas e pistolas; Otta Benga, um escravo africano fugitivo; o Indiano, um guerreiro de turbantes; e um jovem e curioso Charles Darwin (e seu macaco de estimação Wallace). Eles se libertam da ilha onde foram presos pelo Governador Odioso, seu inimigo jurado (montando elefantes nadadores!) e depois de um estranho encontro com um místico ancestral, decidem ir à forra com o vilão. A história segue, mas não vou dar os spoilers. :)
Apesar do espetáculo visual e lúdico do filme, ele é repleto de sutilezas e de uma história sublime e singular. Os contornos que a narrativa vai tomando passam a se relacionar de forma direta com sua depressão, de modo que a própria Alexandria começa a se envolver a ponto de ela mesma entrar na história (como a filha do Bandido Negro) e ter participação fundamental. A química entre os dois protagonista é tão forte que sorrimos e choramos com eles. A cada posicionamento de câmera, cada minúcia e passagem de cena guarda um toque poético e um pequeno elo com o todo. Os personagens que estão na história são, em grande parte, os mesmos que estão cercando os dois no hospital, do faxineiro ao motorista do caminhão de laranjas. Assim, oníricas paisagens e mundo real se relacionam em aparência e história, e é divertido assistir o filme mais de uma vez para pegar tudo.
The Fall é um belo filme de momentos tristes e felizes, uma verdadeira panacéia criativa para jogadores de RPG. Tanto pela utopia visual quanto pela forma única de contar uma história, tão familiar para nós que estamos acostumados a nos sentar e narrar epopeias em grupos, das nossas mentes férteis que transformam situações e personagens comuns em fantasia lúdica, da nossa nostalgia de quando éramos crianças e a mente viajava com lápis, papel e dados. Se você se interessou, faça esse esforço de ir atrás do filme. Ele foi lançado aqui no Brasil em DVD com o ridículo título de Dublê de Anjo, e você pode até já ter visto e achado esquisito, mas vale muito a pena pela experiência única.

Um comentário em “The Fall

  1. Acredita que eu já passei por este filme na locadora e o título nem tchuns pra mim? Amaldiçoados sejam os executivos de marketing, abençoados sejam aqueles que escrevem posts sugestivos e singelos como este.

    Curtir

Dê um pitaco, não custa nada

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s