Mestrando com sucesso em eventos

Opa amigos! Apesar dessa semana estar corrida, me sobrou um real de tempo na hora do almoço para postar. Estamos à beira da Moonfest e com vários eventos pipocando por todo o país, então vou compartilhar algumas manhas que aprendi para jogos one-shot serem um sucesso, mestrando em eventos e ganhando XP. Pra falar a verdade não tem muito segredo: encontros de RPG são locais barulhentos e cheios de gente nova e diferente, querendo jogar coisas diferentes ou apenas divertidas e descompromissadas. Assim, é sempre bom apostar no que é fácil dar certo e deixar sua mesa o mais atraente possível. 
A aventura de encontro ideal, na minha opinião, compartilham de algumas características, e no geral são descompromissadas e rápidas. Sei que tem gente que diz conseguir um jogo denso de terror (pra mim, terror em um RPG de evento é estar com o personagem por um fio quando já morreu um ou dois :P) e intrigas em eventos, mas nunca vi pessoalmente isso funcionar. Em todas as vezes vi falta de interesse e muitas risadas.

Trama simples e rápida: a aventura tem uma necessidade central (sequestro, roubo, ataque, assassinato, etc.) e um enredo sucinto e direto, sem reviravoltas rocambolescas ou grandes jornadas. A trama não precisa ser besta, é só cortar as arestas e ter tudo bem definido. Se vai ser um sequestro, pode conter pistas claras do cativeiros, bandidos tentando impedir o avanço dos PJs (e podendo ser interrogados), alguma reviravolta legal e simples e um gran finale satisfatório. Com duas ou três horas apenas, descontando o tempo de explicar o sistema e desvios de foco, não podemos ter uma trama densa e cheia de ligações e intriga. Não há tempo para desenvolver personagens e tramas, ou apresentar coisas do seu mundo de forma detalhada – até porque eles vão esquecer de tudo num piscar de olhos.
Direto ao ponto: nada de criar personagens, mestrar introduções climáticas para cada um, entregar a missão, negociar recompensas, etc. Os personagens já estão criados, são um grupo de aventureiros e já estão no meio da missão. Vejo muitos narradores tentarem um roleplay inicial para o pessoal pegar a manha dos personagens, e aí aparecer um NPC para pedir que realizem uma missão (ou alguma outra forma do plot cair no colo deles. Com isso se perde muito tempo, além de sempre ter um engraçadinho que fica dando trabalho. Negócio é começar com algo como “vocês foram contratados pelo nobre tal para fazer tal missão, e chegam no lugar da aventura, onde acontece tal evento. O que vocês fazem?” e aí já passa para o primeiro encontro (veja adiante). 
Isso vale para toda a aventura: evite roleplays enrolados, descrições de cada passo que se dá ou refeições e outros pormenores. Lembre dos filmes de cinema: eles possuem um tempo limitadíssimo para contar uma história, então cortam a gordura. Ao mestrar, imagine-se como um diretor cortando as cenas. Por exemplo: se os PJs querem alcançar um templo, aproveite o fim do encontro na floresta e já corte para o momento em que eles estão de frente para a entrada, ao invés de narrar o resto da viagem e tudo mais.
Estrutura modular: como temos pouco tempo e muitos atropelos, deixar a aventura modular é uma ótima pedida (as aventuras dos D&D Gamedays eram ninjas nisso). Podemos dividir a aventura em cenas ou encontros, dessa forma: um ou dois encontros de investigação/exploração/puzzle, um a três de combate/desafio (perseguição, ponte caindo, armadilha, etc.; ou tudo junto, como um combate numa ponte caindo!), uma reviravolta (se for o caso) e um combate ou desafio final. Desses, apenas a cena inicial, intermediária e final deveriam ser indispensáveis. Assim você pode descartar alguns encontros na hora que está narrando e vê que tem pouco tempo (se sua aventura não acabar antes do almoço ou escurecer, raramente o pessoal volta para continuar). 
Dinamismo: se já não é tão fácil manter o interesse dos jogadores numa mesa normal, imagina numa mesa de encontro. Você compete com milhares de desvios de atenção, barulheira e o escambau. Então seus encontros precisam ser caóticos, emocionantes e malucos, com os jogadores nervosos com seus personagens por um fio, vibrando ao acertar ataques inimagináveis e suando para passar pelos desafios. O narrador precisa ser um termômetro: se um combate está durando demais, agite as coisas, fazendo o teto desabar, o chão abrir ou alguma maluquice similar. O monstro é pesado demais e derruba parte do chão, caindo no abismo, ou aparece uma tropa aliada, etc. Se os jogadores estão começando a brigar (coisa muuuito comum, que resulta no grupo se matando e acabando a aventura), jogue ninjas neles, ou alguma coisa cataclísmica que chame a atenção e os faça esquecer a contenda. Ou então transforme o tesouro pelo qual eles estão brigando em ilusão ou um monstrengo feito de peças de ouro! Enfim, a ideia é movimentar as coisas e manter todo mundo eletrizado.
Por fim, o importante é sempre se ter em mente que este é um jogo descompromissado e casual, como os bons blockbusters. Sabe aquela onda de entrar no cinema para ver um filme pipoca, botar o cérebro de lado e curtir? É a mesma coisa. Você não pode prever que tipo de jogador vai sentar na mesa, mas todo mundo se diverte com as manhas citadas justamente por causa dessa suspensão de descrença, e você mesmo vai se empolgar o bastante para colocar coisas malucas e toscas no jogo. Nada é mais recompensador do que todo mundo ficar na mesa até o fim, apertar sua mão e levantar da mesa com um sorriso no rosto.
A propósito, o Pontos de Experiência tem um post (mais completo que o meu, inclusive) sobre o assunto. O tio Nitro também tem dicas fantásticas para mestrar em eventos, e aliás é um verdadeiro sensei no assunto, que sorteia brindes entre os jogadores – algo nem muito difícil, já que sempre tem um jogo ou acessório esquecido na sua estante.
Imagem: Jorge Carrero

2 comentários em “Mestrando com sucesso em eventos

Dê um pitaco, não custa nada

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s