Grupos que funcionam sem forçar a barra

Se esse grupo funciona, o seu não tem desculpa.
No RPG, jogadores se juntam para viver histórias fictícias. Há jogos com personagens isolados ou grupelhos dentro de um conjunto geral, mas o jogo mais comum gira em torno do time de personagens. Por aqui, sempre discutimos as motivações que levam os protagonistas a agir juntos, com seus históricos detalhados e motivações geralmente difíceis. Não gosto de forçar a união de grupos, e já tive panelinhas separadas e grupos (parcamente) unidos por um objetivo comum.

Só que não tenho mais tempo para narrar separadamente. Então, aí vai o argumento: com um pouco de boa vontade de todos e as motivações corretas, grupos podem funcionar bem.

Já passei por uma crise no meu jogo de Supernatural onde os personagens viviam separados e ao se juntar, sendo caçadores niilistas, não rolava química entre os subgrupos. Meus jogadores, preocupados com a profundidade do personagem e avessos a “cordas de caranguejo”, ficaram fechados e seguraram pistas da caçada para si (burrada em termos de investigação) e se sabotaram sem querer, gerando desconfiança e antipatia na mesa. Discuti o assunto e eles começaram a pensar em formas da coisa funcionar sem forçar a barra.

Quando pessoas se juntam com algo em comum (objetivos, laços, etc), o entrosamento vai acontecendo naturalmente, à medida que trabalham juntos e um salva a bunda do outro. As opiniões entre si vão mudando, e eles deixam de ser aliados e viram amigos. Na pior das hipóteses, alguns membros do grupo servem de “cola”, incluindo para aqueles que não se aturam muito.

Não é difícil, especialmente com a mente aberta para conceitos de narrativa compartilhada. Os jogadores decidem juntos as ligações passadas ou futuras entre os personagens. Perde-se um pouco das surpresas assim, mas muitas dores de cabeça vão junto. Para manter o mistério, podem definir tudo com o narrador em termos gerais.

Por exemplo: jogadores decidem que o guerreiro e o ladrão trabalhavam para o mesmo gângster (mas o primeiro saiu fora), o mago conhecerá os dois na primeira situação séria de combate e a clériga pode ser salva pelos três em algum momento. O mestre pensa nos detalhes e a campanha começa. Em algum ponto dela, um evento dramático liga o ladrão e o mago (um ancestral em comum? Um casamento na família?), e pode até rolar desconfiança de traição do ladrão, mas o grupo volta a ser unido quando se descobre que ele sempre foi fiel (ou era um estratagema de parte do grupo para enganar os inimigos?).

Outra ideia é aproveitar eventos do jogo para criar laços: digamos que um jogador diz que seu mentor morreu na última guerra, e outro menciona (ou o mestre inventa) que esse NPC é na verdade seu pai, ou importante para ele também. Os pontos em comum vão aparecendo, no que chamamos de “rede de relacionamentos”.

Filmes como Crash e Babel fazem isso bem, assim como séries fantásticas como Sons of Anarchy, e os personagens se relacionam das formas mais inusitadas. Em A Irmandade do Anel, amizades e parentescos formam um grupo (mais ou menos) coeso, com Sam sendo jardineiro de Frodo, que é sobrinho de um amigo de Gandalf, que inspira Aragorn, etc.

Mesmo sem narrativa compartilhada, é bacana que os jogadores e o narrador mantenham a atitude “pró-grupo”, pensando juntos em formas de manter o grupo coeso frente às adversidades que podem quebrá-lo. Ou ao menos se preocupem em manter as rivalidades leves o bastante para a campanha não desonerar.

Um caminho fácil e honesto é manter a união formalizada, como uma companhia de mercenários, grupo de super-heróis, clube de motoqueiros, relação familiar ou alcateia de lobisomens. Os jogadores não precisam de muitos motivos e a coesão pode até ser frágil, mas há sempre algo maior que eles. Em uma campanha nossa, os jogadores montaram a companhia Falcões Trovejantes no meio da história, e apesar das brigas internas sempre se unem novamente quando há um inimigo.

Se o racha for inevitável (principalmente nos grupos formais, com traições, disputas de liderança, etc.), tento não tomar partidos e crio ganchos sutis para os laços reatarem, e os personagens aproveitam ou não. Se um personagem se desgarra demais, infelizmente sai do “horizonte de eventos” da história e assim da campanha. Mas no futuro ele poderia voltar, até de forma triunfal!

Enfim, humanóides são seres sociais. Mesmo o mais solitário precisa se relacionar em algum momento, e é disso que o apego vai se desenvolvendo, ainda que se demore para admitir. Com a colaboração de todos, sempre tem um motivo para o grupo funcionar. A barra agradece.

9 comentários em “Grupos que funcionam sem forçar a barra

  1. Excelente post Dan, a pior coisa é jogar em grupos que fazem panelinhas. As vezes o grupo se ferra porque não querem colaborar um com o outro.. Pior coisa, como mestre, é ver o pessoal morrer pq quer ficar se dividindo

    Curtir

  2. Eu tenho uma mecânica que está apenas na cabeças, mas vou colocar no papel, se chama “Metódo de Constução de História apartir do Jogador Alfa”.

    Neste esquema o narrador, antes de preparar história, escolhe um jogador que será o Alfa. Juntos eles montam o preludio de maneira livre, apenas o jogador cria.

    Após isso, os outros jogadores devem usar essa historia criada para montar seus preludios. Após tudo isso o narrador preenche as lacunas.

    Isso é certeza de narrar algo que eles querem jogar e a união acaba sendo automática.

    Adoro grupos entrosados, mesmo que se odeiem.

    Curtir

  3. Sabe aquela lance de tipo “meu personagem é mais forte que o seu” e jogadores que querem fazer uma rinha de luta? Pois então, resolvi isso com um problema simples.

    No começo da sessão, faça um sorteio e coloque ambos numa arena. Esqueça prelúdios, aqui é ficha que vale. O vencedor ganha um bônuzinho em XP. Pronto, resolvido o problema da vontade de se matarem!

    Curtir

  4. otimo post, Dan!
    sempre é um problema quando temos personagens muito impares. as vezes o jogador cria uma historia q faz com q ou ele fique sozinho, ou que “manipule a atençao do DM”.

    tipo, minha vila virou pedra e tenho q achar o cocatriz.
    bom, dai o grupo tem q meio q ficar em função disso, e mesmo q se distancie, tem sempre a historia pendente.

    Curtir

Deixe uma resposta para rafael beltrame Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s